O nível de armazenamento dos reservatórios das usinas da AES Tietê encerrou o ano com 34,67% da sua capacidade total – um número inferior ao observado em 2013, quando os reservatórios estavam com 50,98% de sua capacidade de armazenamento. Essa variação está diretamente relacionada à situação de déficit hídrico que afetou o Estado de São Paulo, onde se localizam todas as usinas da empresa.

Os principais reservatórios afetados foram os de Caconde e Água Vermelha, que alcançaram níveis de 3,77% e 12,50%, respectivamente, e geraram energia abaixo da média, devido à hidrologia desfavorável. As demais usinas também tiveram a vazão reduzida durante o ano. Devido à baixa dos reservatórios, duas usinas pararam de gerar energia temporariamente em 2014 – Mogi Guaçu, por 71 dias entre os meses de agosto e novembro, e Limoeiro, por 64 dias entre setembro e novembro.

Nível mínimo atingido em 2014 nas usinas hidrelétricas com reservatório:

Em 2014, a AES Tietê intensificou a gestão estratégica de seus ativos físicos e boas práticas em torno da confiabilidade e da manutenção baseadas na certificação internacional PAS-55, concedida em 2012 pelo Instituto Britânico de Normas. A empresa foi a primeira da América Latina a receber tal certificação.

Centro de Operação da Geração e Eclusas (COGE)

Localizado em Bauru, o COGE da AES Tietê é responsável pela supervisão, comando e execução da operação das nove usinas hidrelétricas e três pequenas centrais hidrelétricas da empresa, que somam 2.658 MW de capacidade instalada.

Seu objetivo é maximizar os indicadores de disponibilidade, confiabilidade e segurança da operação. As equipes do Centro de Operação operam e mantêm as usinas dentro dos mais elevados padrões de desempenho exigidos pelo mercado. Para isso, administram diretrizes, recomendações, análises e estudos que possibilitam a operação centralizada.

Modernização e manutenção

G4-EU6; EU30

Em 2014 foram investidos R$ 186 milhões, destinados – principalmente – à modernização e à manutenção preventiva das usinas de Água Vermelha, Barra Bonita e Bariri a fim de assegurar as condições operacionais e a disponibilidade de geração de energia.

O projeto mais relevante de manutenção teve início na usina Água Vermelha, com a manutenção geral e automação da unidade geradora 2, com capacidade de geração de 232 MW. O processo abrange a manutenção das seis unidades da usina e tem previsão de término em 2018.

A empresa reduziu de 0,28%, em 2013, para 0,25% o fator equivalente de paradas forçadas (EFOF)1. Durante o ano, o índice de paradas imprevistas foi de 1,04%, uma redução de 35% quando comparado ao do ano de 2013.

Energia gerada 2012 2013 2014
Geração – MW médio 1.629 1.392 850
Geração/garantia física 127% 109% 67%

Comunicação local

A AES Tietê, frente ao cenário hidrológico de 2014, implementou um plano de comunicação com a comunidade do entorno de suas usinas para esclarecer o papel da empresa e suas responsabilidades em relação aos reservatórios. Em Mococa, Caconde, Batatais, São José do Rio Pardo e Ribeirão Preto foram realizadas campanhas nas rádios e jornais locais para que a população dessas cidades compreendesse as razões que levaram a AES Tietê a reduzir a vazão de alguns dos seus reservatórios. O objetivo foi deixar claro que a prioridade da companhia é o uso múltiplo das águas, preservando o abastecimento das comunidades do entorno e a fauna.

Ainda como parte do plano foram realizados encontros com jornalistas de veículos de comunicação que cobrem as regiões de Barra Bonita, Araçatuba, Ribeirão Preto, Caconde, Mococa, Euclides da Cunha, Franca, São José do Rio Preto e São José do Rio Pardo para informá-los sobre o cenário, a gestão das usinas e a governança do sistema elétrico.

Para 2015, os principais desafios são:

  • Manter os reservatórios em condição adequada para lidar com as condições hidrológicas e consolidar a área de gestão de reservatórios, criada em 2013;
  • Dar continuidade à manutenção dos equipamentos das usinas de Água Vermelha, Bariri, Barra Bonita e Ibitinga;
  • Obter a certificação ISO 55001.

No período de 2015 a 2019 estão previstos investimentos de R$ 480 milhões nas modernizações dos equipamentos, contemplando os gastos com as manutenções gerais nas usinas de Água Vermelha, Bariri, Barra Bonita e Ibitinga.

Certificação ISO 55001

Criada em 2014, a ISO 55001 é uma norma que especifica os requisitos para um sistema de gestão de ativos dentro de uma organização. Sua aplicação no Grupo AES Brasil traz diversos benefícios para o aprimoramento e a gestão de riscos e processos decisórios. AES Eletropaulo, AES Sul e AES Tietê têm se esforçado para conquistar a nova norma desde o seu lançamento. Todas as empresas já mapearam os processos de cada área, estruturando os procedimentos, que são permanentemente avaliados. A auditoria de certificação está prevista para 2015 em todas as empresas.

1 Equivalent Forced Outage Factor.